Quarta-Feira, 28 de Outubro de 2020 Fale Conosco Redação: (45) 9.9934-0761
Três dicas de feng shui para o quarto que vão ajudá-lo a dormir melhor
Comunidade escolar de Marechal Rondo vota “sim” ou “não” para implantação de colégios cívico-militares
Professora da UFPR/Palotina lança livro “Professores em tempo de pandemia: manual de sobrevivência”
Seis alimentos ricos em ácido fólico. Entenda a sua importância
Paraná lidera ranking nacional com 57 mil empregados pelas Agências do Trabalhador
Câmara aprova denominação de rua em homenagem ao pastor Mario Hort
Marechal Cândido Rondon registra mais um óbito por Covid-19
Condutor perde controle do veículo e derruba poste no interior de Marechal Rondon
Cocaína dentro de paçocas são encontradas na cadeia de Marechal Rondon
Ex-BBB Diego Alemão é denunciado por lesão corporal, ameaça, desacato e embriaguez ao volante pelo MP do Paraná
São Miguel Futsal vence o Toledo por 7 a 5 na LFP
Colégios cívicos-militares: Oeste tem 12 municípios e 22 instituições contempladas; votação acontece hoje e amanhã
Caminhão guincho perde controle e cai em cima de automóvel em São Miguel do Iguaçu
Arquiteto de PG lança livro de comédia autobiográfica
Hemonúcleo pede doações de sangue de pessoas recuperadas da Covid-19, em Foz do Iguaçu
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ministra manda refazer nota que criticava guia alimentar

Brasil | 28/09/2020 | 03:06 |

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, pediu aos técnicos da pasta que reformulem a nota sobre o guia alimentar do País. O documento, que causou polêmica na semana passada, pedia ao Ministério da Saúde que removesse trechos com críticas aos alimentos industrializados. A decisão de revisar o conteúdo foi confirmada ao Estadão pela própria ministra.

Na nota, o Mapa classificava o Guia Alimentar Para a População Brasileira como um dos piores do mundo, mas não citava fontes ou evidências científicas como base dessa conclusão. Tereza Cristina devolveu o documento e pediu que seja refeito.

O guia, elaborado pela equipe técnica do Ministério da Saúde - e válido desde 2014, quando a edição mais atualizada foi publicada -, traz diretrizes sobre alimentação adequada e saudável para a população brasileira, com recomendações que privilegiam alimentos in natura ou pouco processados.

Nesta semana, dois cientistas das Universidades de Oxford (Reino Unido) e Harvard (Estados Unidos), autores de um estudo que analisou guias alimentares de dezenas de países, acusaram a Associação Brasileira de Indústria de Alimentos (Abia) de desonestidade, por, segundo eles, usar os resultados de sua pesquisa de forma distorcida para atacar o guia brasileiro.

A Abia endossou parte das críticas do Ministério da Agricultura ao documento e usou como uma das evidências da suposta falta de qualidade das diretrizes brasileiras um estudo internacional publicado neste ano no periódico científico The British Medical Journal (BMJ), um dos mais importantes do mundo, que avaliou as consequências da adoção de guias alimentares nacionais na saúde e no meio ambiente.

A pesquisa foi citada em posicionamento oficial da Abia, que pede a revisão do guia. Ao saberem que a pesquisa estava sendo usada para criticar o guia brasileiro, os cientistas divulgaram uma nota de esclarecimento em que afirmam que a declaração da Abia faz uma interpretação "grosseira" e um mau uso da publicação científica de autoria deles.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

| Fotos: Notícias ao Minuto |
PUBLICIDADE
INSCREVA-SE NA NOSSA NEWSLETTER E RECEBA AS PRINCIPAIS NOTÍCIAS POR E-MAIL
Divulgação, Locação de Som e Luzes
Point Drink's, o Point especializado em Drink's
Tradição e qualidade nos mínimos detalhes! Agende seu horário!
Arena Society
Contrate Sonoriza Som