Quarta-Feira, 28 de Outubro de 2020 Fale Conosco Redação: (45) 9.9934-0761
Três dicas de feng shui para o quarto que vão ajudá-lo a dormir melhor
Comunidade escolar de Marechal Rondo vota “sim” ou “não” para implantação de colégios cívico-militares
Professora da UFPR/Palotina lança livro “Professores em tempo de pandemia: manual de sobrevivência”
Seis alimentos ricos em ácido fólico. Entenda a sua importância
Paraná lidera ranking nacional com 57 mil empregados pelas Agências do Trabalhador
Câmara aprova denominação de rua em homenagem ao pastor Mario Hort
Marechal Cândido Rondon registra mais um óbito por Covid-19
Condutor perde controle do veículo e derruba poste no interior de Marechal Rondon
Cocaína dentro de paçocas são encontradas na cadeia de Marechal Rondon
Ex-BBB Diego Alemão é denunciado por lesão corporal, ameaça, desacato e embriaguez ao volante pelo MP do Paraná
São Miguel Futsal vence o Toledo por 7 a 5 na LFP
Colégios cívicos-militares: Oeste tem 12 municípios e 22 instituições contempladas; votação acontece hoje e amanhã
Caminhão guincho perde controle e cai em cima de automóvel em São Miguel do Iguaçu
Arquiteto de PG lança livro de comédia autobiográfica
Hemonúcleo pede doações de sangue de pessoas recuperadas da Covid-19, em Foz do Iguaçu
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Neurônios cansados podem provocar distorção na percepção do tempo

Variedades | 21/09/2020 | 14:37 |

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Quando recebemos um estímulo visual ou sonoro com a mesma duração seguidas vezes, neurônios de uma determinada parte do nosso cérebro começam a ficar exaustos, diminuem a atividade, e podemos perceber o tempo passar de maneira levemente distorcida -para mais ou para menos.

Um estudo publicado no último dia 14 mostrou que o cansaço de um grupo de neurônios especialmente sensíveis à noção de tempo, que ficam no giro supramarginal -parte do cérebro responsável por processamentos sensoriais- pode ser a causa de percerbermos o tempo passar de maneira diferente quando ouvimos a mesma música ou vemos um mesmo filme várias vezes.Os resultados foram divulgados na revista científica Journal of Neuroscience.

Para investigar a relação entre esses neurônios e a percepção do tempo, os cientistas mostraram a 20 pessoas, com idade média de 21 anos, uma mesma imagem (um círculo cinza) por períodos muito curtos de tempo, menores do que um segundo, 30 vezes seguidas.

Uma parte do grupo recebeu a versão curta do estímulo, de 0,25 segundos, e outra parte a versão longa, de 0,75 segundos.Após as repetições, os cientistas iniciaram os testes para avaliar se a percepção do tempo dessas pessoas havia se alterado.

Os pesquisadores mostraram aos participantes o mesmo círculo por durações de tempo um pouco maiores: de 0,35; 0,45; 0,55 e 0,65 segundos cada uma. Ao mesmo tempo, um toque sonoro com duração de 0,50 segundos era executado.Foi solicitado aos participantes que indicassem se o barulho tinha durado mais ou menos do que a exibição das imagens.

Para os que receberam as repetições curtas na primeira fase do estudo, o ruído que durava 0,5 segundos pareceu ser mais rápido do que a exibição da imagem na tela que durou 0,35 segundos.Para as pessoas que receberam a repetição mais longa, de 0,75 segundos, o efeito foi o contrário, de que o ruído era mais demorado do que as imagens que ficavam mais tempo na tela, como a de 0,65 segundos.

"É melhor não confiar na sua percepção de tempo após ter sido exposto a repetidos flashes de imagens ou barulhos", afirma um dos autores do artigo, Masamichi Hayashi, neurocientista na Universidade de Osaka e no Centro Nacional de Tecnologia da Informação e das Comunicações do Japão, e também na Universidade da Califórnia em Berkeley, nos Estados Unidos.

Durante os testes, os participantes tiveram os cérebros escaneados por um aparelho de ressonância magnética funcional, capaz de detectar a atividade no órgão. Os cientistas perceberam que, nessa fase, os neurônios sensíveis ao tempo tinham uma atividade menor, como se estivessem cansados após as repetições sensoriais às quais foram submetidos.

Para os autores do estudo, a redução de atividade nesses neurônios, devida à exaustão pela repetição de um estímulo, poderia explicar por que, em algumas ocasiões, uma pessoa sente o tempo passar de um jeito um pouco diferente do tempo chamado físico, objetivo ou real.

Embora os resultados possam jogar luz sobre aspectos ainda misteriosos da relação entre os seres humanos e o tempo, Hayashi lembra que a pesquisa que conduziu tem a limitação de ter investigado essas alterações na percepção para períodos de tempo muito curtos."

Pesquisas futuras terão de estudar se nossos resultados podem ser aplicados à percepção de intervalos de tempo mais longos", conclui o cientista.

| Fotos: Notícias ao Minuto |
PUBLICIDADE
INSCREVA-SE NA NOSSA NEWSLETTER E RECEBA AS PRINCIPAIS NOTÍCIAS POR E-MAIL
Tradição e qualidade nos mínimos detalhes! Agende seu horário!
Point Drink's, o Point especializado em Drink's
Arena Society
Divulgação, Locação de Som e Luzes
Contrate Sonoriza Som