Sonoriza Som
Anuncie Aqui
Senado Federal

Paim: ditadura militar matou, sequestrou, torturou, reprimiu e censurou

O senador Paulo Paim (PT-RS) exaltou a democracia brasileira ao elogiar a sessão especial do Senado que celebrou, nesta terça-feira (2), a redemocr...

02/04/2024 21h33
Por: Marcos Umeres
Fonte: Agência Senado
 - Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado
- Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado

O senador Paulo Paim (PT-RS) exaltou a democracia brasileira ao elogiar a sessão especial do Senado que celebrou, nesta terça-feira (2), a redemocratização do Brasil ocorrida após o fim do regime militar. Paim afirmou que, durante seus 21 anos de duração, a ditadura militar sequestrou, torturou e assassinou pessoas, reprimiu e censurou a imprensa e a cultura e chegou ao ponto de fechar o Congresso Nacional.

— Com a democracia, tudo! Sem ela, é nada. Vida longa à democracia, que ela seja eterna no nosso país!

Paim também elogiou o lançamento do livroTempos de Chumbo, que reúne textos de políticos e acadêmicos, como o ministro do STF Gilmar Mendes, o próprio Paim e o senador Randolfe Rodrigues (AP), que foi o autor do requerimento para a realização da sessão especial.

Registrou, ainda, a abertura da exposição de fotos de Orlando Brito da época do regime de exceção.

O parlamentar avaliou como essencial para o fortalecimento da democracia o registro histórico sobre governos totalitários, ditaduras e estados de exceção.

— Para evitar que essas páginas tristes da nossa história sejam esquecidas. Durante os chamados anos de chumbo no Brasil, houve intensa repressão política, cassação de direitos políticos, extinção de partidos, censura à imprensa e à cultura, além de assassinatos, torturas, sequestros e exílios. Os direitos humanos foram barbaramente desrespeitados e o Congresso Nacional chegou a ser fechado.

O senador recordou que foi deputado constituinte e ajudou a fixar na Constituição de 1988 os direitos e as garantias individuais, ampliando as liberdades civis e assegurando a liberdade de imprensa e a livre expressão. Paim também defendeu o respeito à diversidade e o combate às discriminações.

— Memória e direitos humanos estão profundamente conectados, apontando para um caminho de esperança, por uma vida mais humana e justa, com igualdade de direitos e oportunidades para todos: negros, brancos, índios, imigrantes, idosos, crianças, LGBTQIA+, mulheres… A memória viva reestabelece a verdade e a justiça, permitindo que as sociedades confrontem eventos traumáticos.

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários